Homem suspeito de matar moradora do Juca Pedro é preso pela DIG

O delegado Marcelo Augusto Díspore recebeu uma
denúncia em seu facebook particular
O suspeito J.C., de 38 anos foi preso pela Delegacia de Investigações Gerais (DIG), no início da noite desta sexta-feira (22), em Catanduva. O homem é acusado de assassinar a sua companheira com disparo de arma de fogo na madrugada de quarta-feira (20), em Pindorama.

Segundo o delegado responsável pelas investigações, Marcelo Augusto Díspore, após receber uma denúncia sobre a morte da mulher, os policiais da especializada passaram a investigar o caso minuciosamente.

“Uma testemunha, através do meu facebook particular, informou que teria visto o acusado discutindo com a sua companheira nas proximidades do local do crime, por duas vezes. Com essas informações passamos a investigar o principal suspeito”, disse Díspore.

Os policiais apuraram que o averiguado, após a segunda discussão, possivelmente teria levado a mulher até a plantação de cana-de-açúcar, onde após tentar sufocar a vítima com as mãos, teria atirado contra a sua cabeça.

“Inclusive, tivemos outra informação que esclarece que o próprio autor do crime teria arrombado a porta da própria casa, com o objetivo de criar uma falsa autoria, dizendo que três homens teriam levado a companheira do imóvel”, comenta o delegado.

Com todas as informações apuradas, o suspeito foi chamado para comparecer na sede da DIG, onde acreditando que estaria cooperando com as investigações, acabou surpreendido com a ordem de prisão.

“O suspeito foi intimado a comparecer na tarde desta sexta-feira na DIG, para esclarecer alguns fatos relacionados à morte da mulher. Acreditando que ele estava cooperando com as investigações e ocultando a sua culpa, ele foi surpreendido, quando informamos a sua prisão”, afirma Díspore.

A testemunha esteve na delegacia, onde reconheceu o autor do crime por meio de reconhecimento fotográfico e pessoal, não restando dúvidas sobre a autoria do homicídio.

“Anteriormente, munido de todas as informações foi solicitado à prisão do suspeito para a 2ª Vara Criminal, onde de imediato foi expedido o mandado de prisão temporária por 30 dias, que poderá ser renovada por mais 30 dias e passar posteriormente para prisão preventiva”, finaliza o delegado.

Com a elucidação da autoria do crime, o caso continuará a ser acompanhado pela delegacia de Pindorama.

Relembre o Caso

A vítima A.P.C., de 40 anos, moradora do bairro Juca Pedro em Catanduva foi brutalmente assassinada e seu corpo encontrado na manhã de quarta-feira (20), em Pindorama.

Segundo o boletim de ocorrência, por volta das 7 horas, policiais militares foram chamados para comparecerem em um carreador de cana-de-açúcar nas imediações da rodovia vicinal Sergio Luís Perosa, onde havia sido encontrado o corpo de uma mulher caído na entrada da plantação. No local, foi apurado que uma testemunha de 52 anos se dirigia para o seu trabalho, quando avistou um cadáver caído, com o rosto numa poça de sangue.
Na posse das informações, os policiais civis realizaram
uma investigação minuciosa

Com a chegada da equipe da Polícia Civil foi verificado que o cadáver era de uma mulher aparentando ter aproximadamente 40 anos, de porte físico magro, que trajava apenas uma camiseta cinza clara e um short cinza escuro. O corpo estava caído, com ferimento na cabeça e com os pés descalços adentrando a plantação de cana-de-açúcar e o resto do corpo invadindo o carreador. No local, nenhum objeto utilizado na pratica criminosa foi encontrado.

Durante as apurações preliminares da polícia, J.C., de 38 anos se dirigiu ao Plantão Policial, em Catanduva, para registrar o desaparecimento da sua companheira, onde foi constatado se tratar da mesma pessoa, encontrada morta em Pindorama. A autoridade policial convocou os policiais da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) para auxílio na ocorrência, sendo o homem levado para a sede da DIG para prestar esclarecimentos.

O companheiro da vítima informou que por volta da 1h30, ele e sua companheira usavam drogas no quarto dos fundos da residência localizada no bairro Juca Pedro, quando aproximadamente três homens não identificados invadiram o imóvel, após arrombar a porta da frente.

Na ocasião, J.C. teria se escondido atrás da porta de outro cômodo, enquanto que a mulher foi até a sala, onde os averiguados perguntaram por ele, dizendo que os dois iriam morrer. Depois de algum tempo, sem ouvir mais nada, J.C. pulou o muro da casa e fugiu da ação dos marginais.

Ainda segundo as suas declarações prestadas à polícia, J.C. foi até um hospital onde telefonou para o seu pai e em seguida chamou um moto táxi e se dirigiu para a casa do genitor, onde permaneceu até amanhecer o dia, procurando em seguida o Plantão Policial.

A equipe de policiais civis se deslocou até a residência do casal, onde observaram um cenário com vários objetos usados no consumo de drogas, os poucos móveis não estavam revirados e a porta da frente da casa estava arrombada.

O corpo da vítima foi levado para o Instituto Médico Legal (IML) para passar por exame necroscópico, sendo constatados sinais de esganadura na região do pescoço e ferimento causado por disparo de arma de fogo na cabeça, com encontro de projétil no interior do crânio. Também foi requisitado exame residuográfico e coleta de material para comparação de DNA em J.C. O caso foi registrado como homicídio.

Por Marcelo Ono

Foto: Arquivo / Alta Tensão

ATENÇÃO – É proibida a reprodução ou cópia da notícia, sem autorização prévia da direção do Alta Tensão.

Compartilhe no Google Plus

    Blogger Comment
    Facebook Comment