Polícia Militar forma 67 capitães em curso de mestrado

O primeiro colocado recebeu a medalha Pedro Dias
de Campos
A Polícia Militar formou, na tarde de sexta-feira (2), 67 capitães no Curso de Aperfeiçoamento de Oficiais (CAO).

O secretário da Segurança Pública, Mágino Alves Barbosa Filho, participou da formatura do curso, que é reconhecido como mestrado em Ciências Policiais de Segurança e Ordem Pública.

O curso de aperfeiçoamento é um dos requisitos para que os policiais militares ascendam na hierarquia da corporação, tornando-se aptos ao posto de major. Do total de formandos, seis são mulheres. Entre os oficiais há ainda dois da PM de Sergipe e três da Brigada Militar do Rio Grande do Sul.

Ao longo do evento, o secretário ressaltou a importância do curso. “Não é à toa que o Estado de São Paulo se distingue como uma força muito especial, que é um exemplo para as polícias militar do Brasil afora. É por um motivo muito simples. A Polícia Militar não para de se reconstruir no dia a dia”.

A turma de formandos, nomeada “Major Marcos Henrique da Silva”, escolheu como paraninfo o coronel Reynaldo Simões Rossi, que entre outras funções, foi comandante da Academia de Polícia Militar do Barro Branco (APMBB), diretor de Ensino e Cultura e subchefe do Estado Maior da PM.

Em seu discurso, Mágino também agradeceu o desempenho dos policiais em nome da sociedade. “A busca permanente pelo aperfeiçoamento intelectual de nossos policiais é uma marca da Polícia Militar. Os senhores reingressaram à Academia e voltam à tropa hoje altamente preparados pra exercer novas atribuições”.

Os três alunos que tiveram as notas mais altas no CAO foram os capitães Cleber Tenório Vasco, Fernando Augusto de Paiva Pacheco e Fernando Signorelli. “Com constante aperfeiçoamento, oferecem melhor prestação de serviço a nossa comunidade”, destacou o comandante-geral da PM, coronel Nivaldo Cesar Restivo.

O coronel ainda aproveitou a oportunidade para desejar boa sorte aos formandos. “Concluir um curso que os habilita a promoção de um oficialato superior significa dizer que todos fazem parte do processo de transição da nossa polícia, já que se prepararam para assumir funções de direção e de maior relevância”, completou o comandante.

Ao final da solenidade, o secretário falou sobre os bons resultados alcançados pela corporação. “A Polícia Militar é responsável pelos indicadores criminais excepcionais de São Paulo, que são um exemplo. Devemos isso aos homens e mulheres que diariamente na rua, se expondo a risco, prontos para entregar a própria vida em defesa da sociedade Paulista e do homem de bem de São Paulo”, concluiu.

O curso

Para participar do processo seletivo interno e ingressar no curso, os oficiais precisam estar há pelo menos três anos no posto de capitão. Com 616 horas-aula presenciais, o CAO começou no dia 31 de julho do ano passado.

Ao longo das aulas, os capitães estudam diversas disciplinas, como Ética, Cidadania e Direitos Humanos, Organização e Gestão de Polícia, Tiro Defensivo na Preservação da Vida “Método Giraldi”, entre outras.

Os alunos desenvolvem uma tese dissertativa que é apresentada a uma banca como trabalho de conclusão de curso. As teses devem ter temas de interesse da segurança pública, que permitam inovações nos métodos e processos em uso na instituição.

O CAO proporciona ao oficial estudos de alto nível, necessários ao desenvolvimento de potencialidades e ao aperfeiçoamento técnico-profissional.  A formação ajuda a capacitar o PM para o exercício de funções de assessoria de planejamento em Estado-Maior e de direção das várias unidades da corporação.

Por Mainary Nascimento e Paula Vieira / SSP

Foto: Paula Vieira

Compartilhe no Google Plus

    Blogger Comment
    Facebook Comment